BRASIL
CFBM
Portal da Transparência

13/06/18

SES-DF nomeia 33 biomédicos aprovados em concurso público

Profissionais já estão atuando como Especialistas em Saúde. Presidentes do CRBM-3 e do Sindicato dos Biomédicos do Distrito Federal destacam empenho em conjunto para a concretização das nomeações

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) nomeou 33 biomédicos aprovados no concurso público realizado em 2014, o primeiro para a classe biomédica. As nomeações demonstram a valorização do profissional em todo o Distrito Federal, trabalho que teve início especialmente em 2012 e que resultou na inclusão desta profissão na Secretaria de Saúde do Distrito Federal, com apoio do Conselho Regional de Biomedicina – 3ª Região (CRBM-3).

“Sabemos das dificuldades financeiras enfrentadas pelo Governo do DF e que mesmo assim priorizou a saúde pública para o bem da população carente. Tenho convicção de que os biomédicos nomeados reconhecerão a importância desse ato e como profissionais de excelência em saúde contribuirão para a melhoria dos serviços prestados pela SES”, afirmou o presidente do CRBM-3, Rony Marques de Castilho.

Para Veralúcia Alves de Lima Rodrigues, que preside o Sindicato dos Biomédicos do Distrito Federal (Sindibiomédicos-DF), as nomeações são resultado de longas negociações do Sindicato com a Secretaria de Saúde demonstrando a importância da categoria entre os profissionais de saúde. Influenciou, segundo ela também, a boa vontade do secretário da pasta Humberto Fonseca, que demonstrou seriedade ao criar uma isonomia entre os biomédicos e as outras profissões da área de saúde.

“Nossa expectativa é a de que mais biomédicos sejam chamados nos próximos meses, estamos trabalhando para isso”, reforça Veralúcia. O concurso público tem validade até dezembro de 2018. Os biomédicos aprovados estão mobilizados para que novos chamamentos ocorram. Uma das nomeadas, biomédica Mayara Godinho comemora a oportunidade. “É um marco na história do biomédico no Distrito Federal porque antes não havia a presença do profissional no serviço público de saúde. A luta do Sindicato foi preponderante para esse resultado”, conclui

(Imprensa CRBM-3)

 

Outras Notícias